terça-feira, 1 de abril de 2008

Mercearia Ideal do Bairro Azul,Lisboa

O Senhor Carlos tirando um café
Engenhoca anti tabaco na parede exterior.Veja-se o cinzeiro. À hora de almoço também serve para pousar umas imperiais, enquanto se fuma cá fora....
Este estabelecimento emblemático na Cidade de Lisboa, concretamente da Rua Ramalho Ortigão,tem os dias contados, assim como está. Decorre o processo, na Câmara Municipal de Lisboa, para obras de remodelação que lhes foram exigidas há uns tempos. É um estabelecimento adorável. Servia sopa, bifanas, pregos, salgados, omeletes no pão etc.etc. Tinham sucesso, tudo era confeccionado e servido por homens, que presumo seram sócios de longa data. Invejas da vizinhança do ramo que viam casa cheia. Foram proíbidos de tudo isso por não terem condições. Pois é. Eu já passava aqui à porta quando andava na escola, ciclo preparatório, a Marquesa de Alorna que ainda existe. Tem sido um acto de coragem e um desafio a persistência deste estabelecimento. Aos lisboetas não lhes é permitido manter nada das suas imagens do passado. Obras sim. Mas porquê arrasar com o aspecto geral do interior do estebelecimento? É pena. Só espero que no novo projecto não estejam incluidos os belos espelhos e inoxs a condizer. Não sei porque é que em Inglaterra um dos pratos "favoritos" seja o "fish and chips" servido em folhas de jornal.
Aqui encontra-se um pouco de tudo e quando não há, arranja-se maneira de passar a haver. Ainda se levam compras aos clientes, alguns nos quintos andares. A pé e às costas se for preciso. Têm muita clientela idosa e o serviço que prestam é uma grande valia para eles. É só pedir. Por incrível que pareça são muito próximo do "El Corte Ingles". Mais mérito têm, pela sua coragem em insistirem e existirem e servirem.

3 comentários:

Ana Velez disse...

Olá,
Conheço muito bem esta mercearia, o nosso escritório era no prédia da esquina.
beijinhos
Ana

GISELA LOPES disse...

Moro no Bairro Azul e sou cliente desta mercearia. As obras estão feitas,e já nada é como antes. Tem muito menos artigos, e principalmente perdeu a graça castiça que a tornava tão diferente dos pequenos mini mercados tão impessoais. Ainda bem que tirou estas fotos pois assim fica registado um pedaço do passado. Gisela

isabel tiago disse...

Bom dia Gisela

Obrigado por aceder ao meu espaço e comentar àcerca de um assunto que me entusiasmou bastante.
Também somos clientes da mercearia actualmente. O meu marido chama-lhe a loja verde...
Apesar de tudo ficou bonita e funcional contando como sempre com a habitual simpatia de quem nos atende. Formam uma equipa de trabalho excepcional.

Gostamos de umas saladinhas que nos preparam ou de umas andes especiais.

Os artigos em exposição já ficaram com um aspecto mais banal mas o progresso é isso mesmo.

Apesar de tudo não encheram a loja de espelhos o que já é uma vantagem pois pessoalmente não aprecio esse tipo de decoração que foi muito usado há uns anos e em muitos casos, com muito mau gosto.

Gostei de ver espelhos em cafés antigos mas que o progresso também arrasou.

Conheço bem o Bairro Azul pois frequantei a Escola Marquesa de Alorna nos anos sessenta e recentemente o meu marido trabalhou também aí e por isso além de actualizarmos as nossas idas a esse bairro, fizémos novos conhecimentos, alguns dos quais se mantêm.

Se desejar copiar as fotos esteja à vontade pois pode fazê-lo sem qualquer problema.

Isabel Tiago